skip to Main Content

Mars To Travel

Tailândia, diário dos 22 dias (versão Covid-19)

Em 2020 tínhamos planos ambiciosos, os meses de Novembro e Dezembro iam ser utilizados para fazer uma viagem que está na gaveta há séculos. As licenças estavam aprovadas, mas o que não esperávamos é que o Mundo fosse assolapado por uma pandemia. Pandemia essa, da qual já ninguém consegue ouvir esta palavra.

Em tempos de pandémicos, apesar de nos últimos dois anos termos feito algumas viagens, a ânsia de voar até mais longe era gritante. Tínhamos muita vontade de mergulhar até uma cultura que nos enchesse as medidas.

Eu tinha duas semanas férias no final de 2021 (ele 3), e quando estávamos quase a desistir de as gozar, começamos a sonhar em arriscar e sair da Europa. Quando lemos que a Tailândia tinha revisto a entrada de vacinados estrangeiros no pais –  passando de 14 dias de quarentena, para apenas um – em dois dias compramos o voo.

Negociei uma semana sem vencimento no trabalho, igualando a disponibilidade do meu mais que tudo, e compramos o voo para Bangkok: teríamos 22 dias para gozar da Tailândia.

Quais as regras?

Documentos necessários:

  • . Certificado de Vacinação;
  • . PCR negativo (72h antes da partida)
  • . Programa Test & Go (reserva de uma noite num dos Hotéis oficiais de quarentena: inclui – 1 noite, 1 PCR, 3 refeições e transporte do aeroporto para hotel)
  • . Seguro de Viagem que cubra pelo menos 50 mil dólares de despesas medicas
  • . Thai Pass (com os passos acima todos tratados, é emitido este passe que te dá entrada no país)
  • . Documento de entrada (distribuído no avião)

ACTUALIZAÇÃO: Estas regras já mudaram, agora já não existe a modalidade do Test & Go que permitiria fazer uma quarentena de 1 dia, apenas para esperar o resultado do PCR feito à chegada à Tailândia (Info Aqui). 

O voo

Partimos de Lisboa num sábado de manhã, o voo teria uma escala de 7 horas em Istambul (acabou por ser 10 horas), até à última paragem: Bangkok.

Com o Covid há menos ofertas de voos, por não haver assim tanto turismo a acontecer, no entanto, conseguimos – através da Turkish Airlines – um voo a um preço mais elevado que o habitual, mas dentro da média em períodos não pandémicos.

As pesquisas faço-as sempre no site Skyscanner, mas a compra – por segurança e pelos tempos conturbados em que vivemos – foi feita na companhia aérea.

Chegamos a Bangkok no dia seguinte, as 17h hora local, fora mais de 24 horas de ‘’transito’’ até ao destino final.

Dia 1: Chegada a Tailândia

Ainda em Lisboa, antes de embarcar, foi necessário apresentar todos os documentos, com principal ênfase para o PCR negativo;

Na chegada a BGK, sente-se muita ordem e organização por parte das equipas escaladas para averiguação de que todos os turistas cumprem com as regras necessárias à entrada no pais.

Ponto 1: existem cadeiras separadas ordeiramente, onde cada um se senta até que alguém venha fazer a primeira filtragem à documentação;

Ponto 2: Depois, passamos pela segunda verificação, no qual é verificado cada documento relacionado com o Covid.

Ponto 3: Efectiva entrada no pais, com carimbo no passaporte emitido pelas autoridades locais.

Durante todo o processo existe imensa gente a orientar quem chega ao aeroporto, foi tudo muito ordeiro, simples e rápido. O processo todo demorou uns 20 minutos.

Assim que apanhamos as malas, adquirimos um cartão SIM (20€ para 30 dias com net ilimitada).

Na saída do aeroporto existem vários agentes de hotéis que aguardam os hospedes que farão quarentena nessas unidades hoteleiras. Existe também uma equipa do aeroporto, com o nome de todos os passageiros com entrada aprovada para aquele dia, com indicação do Hotel em que ficamos, e que nos encaminha directamente para o táxi que nos levará ao destino.

Entramos no taxi que nos estava destinado, antes de chegar ao Hotel, fomos ao hospital, fazer um PCR (demorou literalmente 3 minutos), foi feito através de recolha pelo nariz e boca. Já estavam a nossa espera, com copias dos nossos passaportes, e formulários para a parte burocrática.

Não tivemos de tratar de nada.

Chegados ao Hotel, apenas mostramos o PCR e Thai Pass.

Começamos então esta viagem com um dia de quarentena no Hotel Chilax, os quartos eram confortáveis, o jantar já estava a nossa espera, e às 22h estávamos a dormir, vencidos pelo cansaço da viagem. 

Dia 2: Banguecoque

Acordamos pelas 9h, o pequeno almoço estava a porta do quarto, e às 11h dançamos a dança da vitoria, ao receber o PCR negativo. Estávamos livres!

Não abandonamos o Hotel sem explorar o rooftop – incrível -, nem sei dar um mergulho na piscina. As fotos falam por si..

Plaza de Espanha
esta loja  
Catedral de Sevilha
não entramos, mas é um marco da idade
Real Alcácer
Por ser uma marca que gosto e porque se compram malas aqui com 70% de desconto.
Jardins de Murillo
é uma das marcas queridinhas de todas as mulheres, e aqui os preços são muitos bons. 
Praça Del Triunfo
a marca de roupa americana aqui assume descontos de cerca de 50%.
Bairro de Santa Cruz
não sou fã da marca mas reconheço que aqui ela é tão corriqueira que os preços chegam a chocar quem esta habituada a vê-la com os preços europeus.
Outros Pontos de interesse  
Skechers
Espero que o post vos inspire, vão com tempo, e organizem-se. Qualquer questão, digam 🙂
xoxo,
Mars

Post Relacionados

Marrocos, em 9 dias

Marrocos é bastante perto tendo em em conta a antagónica cultura que tem em face da nossa.
Este era um dos meus destinos de sonho, com o qual sonhei durante anos, mesmo antes de sequer ter andado de avião.

Lê mais...

You cannot copy content of this page